Ao longo do tempo, a arquitetura cumpriu a função de comunicar valores de uma época e de determinadas instituições. Com os movimentos artísticos sempre em mudança, a arquitetura também evoluiu e diversificou o seu estilo, até chegarmos aos dias de hoje.

Nesse sentido, há décadas as grandes corporações se valem da arquitetura para comunicar valores e ideias. E um ponto forte disso está em priorizar a fachada dos empreendimentos corporativos. Afinal, a imagem da empresa começa pela porta da frente.

Então, quer saber mais sobre arquitetura corporativa nas fachadas? Basta continuar a sua leitura!

A percepção do público

Você já parou na frente da fachada de alguma empresa com a qual se identifica e se perguntou: o que, exatamente, ela comunica? Geralmente, há pequenos indícios. São detalhes, ornamentos, cores e outros aspectos que fazem com que uma fachada se destaque das demais.

Mas esses detalhes nunca são acidentais. A fachada de uma corporação, quando bem pensada arquitetonicamente, pode mesmo ser capaz de transmitir a sensação de credibilidade e competência.

Além disso, a percepção do público é guiada de acordo com o seu comportamento, gostos e interesses — e é com isso que essas fachadas conseguem, pela sua arquitetura, se comunicar.

Para além da estética

Bom, além de um objeto simplesmente estético, a fachada comercial tem outras funções. Quando se estuda os elementos aplicados nela, percebe-se que eles desempenham um papel crucial para alcançar resultados positivos para a empresa.

Dessa forma, para que a imagem de uma loja ou empresa transmita credibilidade e valor aos seus consumidores, é primordial ter um ótimo projeto de ambientação, para além dessa estética.

A concepção da arquitetura da loja também é importante para se despertar o interesse do público-alvo, reforçando a identidade que a sua loja tem. Aliás, esse é um truque muito usado entre as lojas e outras grandes corporações!

Assim como um cartão de visitas, a fachada serve como o primeiro contato físico entre o cliente e a empresa. Justamente por isso, deve-se dar muita atenção à imagem que se passa por meio dela.

Alguns dos erros mais comuns que se pode cometer ao arquitetar uma fachada comercial são:

  • deixar de considerar as mensagens que ela comunica;
  • não priorizar a originalidade de suas formas;
  • esquecer de verificar se nela estão embutidos os valores da marca.

Em suma, o principal erro é tratar a fachada como ornamento, e não como imagem da empresa.

Como compor uma boa fachada comercial

A fachada da empresa também não pode ser considerada uma mera parede com uma porta no meio. Procure encará-la como um portal pelo qual os clientes vão sentir o desejo de passar.

Para isso, confira a seguir 5 dicas para criar uma fachada de acordo com a identidade visual de sua empresa:

Cores

As cores são utilizadas para transmitir a identidade da sua loja, logo, não se pode escolhê-las apenas pelo seu gosto pessoal, e sim com base em conhecimentos técnicos.

Elas devem ser pensadas de acordo com o estilo que a sua loja tem e a mensagem que você deseja transmitir. Também, é preciso utilizar as cores que estão presentes na sua marca. Se forem extremamente vibrantes, usar tons mais claros pode ser uma solução viável.

Ademais, usá-las com alguma luz em cima pode tornar a sua fachada mais brilhante, a destacando. De modo geral, algumas combinações de cores que podem ser usadas em uma loja, são:

  • azul e verde;
  • azul, branco, preto, verde, cinza, bege e amarelo;
  • branco, brilhante, preto e multicolor;
  • rosa, verde, azul e branco;
  • azul, multicolor e verde;
  • amarelo, verde e azul;
  • amarelo-claro, vermelho, branco e rosa;
  • verde, azul e cores brilhantes.

Material

Dê preferência aos materiais que estão em tendência, especialmente a combinação deles. Madeira, espelho, vidro, superfícies de metal e pedras são alguns deles que fazem combinações interessantes, e passam a ideia de competência e modernidade.

Para quem comercializa produtos ou serviços simples, uma boa ideia é o uso da madeira rústica — um material barato, caso se deseje investir pouco, e que obtém um resultado surpreendente —, mas sempre com cuidado, para não estragar o material.

Para lojas que buscam dureza e beleza, uma boa opção é o uso de placas de bronze em sua fachada. Assim, se transmite ao mesmo tempo um clima sóbrio e elegante ao ambiente. É preciso, nesse caso, apenas dar mais atenção ao letreiro, fazendo com que ele se destaque.

Por fim, o uso de aço escovado agrega um ar de modernidade e brilho à sua fachada, acrescentando um clima futurístico ao local. Uma ótima opção para lojas que desejam passar a imagem de um lugar requintado, como em agências ou escritórios!

Comunicação

A comunicação visual está relacionada totalmente com a questão da reforma e construção de edifícios e interiores. Afinal, traduzir a personalidade da sua empresa por meio de elementos visuais facilita o entendimento dos seus clientes sobre quais serviços ou produtos você oferece.

Privilegie o nome da empresa, oferecendo-lhe destaque. Para isso, evite usar formas circulares ou em grande número, porque elas fazem com que se percam um pouco do ar moderno. Se essa mensagem for emitida de maneira clara, o seu público-alvo será atraído, aumentando o faturamento da sua empresa!

Iluminação

A relação entre a arquitetura comercial e as características publicitárias vai além da fachada de uma loja — ela inclui também o seu interior.

Começa pela vitrine, onde os produtos precisam estar devidamente distribuídos e bem iluminados para facilitar o entendimento e a observação do seu público-alvo. Se ele for atraído, seguirá para dentro do seu estabelecimento.

Além disso, especialmente à noite, não se pode deixar de ter uma iluminação em sua fachada. Estude as cores com que vai trabalhar as suas luzes, e lembre-se: apenas jogar pequenos jatos de luz neutra não é uma boa estratégia.

Tamanho

Devido ao crescimento das cidades, os centros urbanos vêm sendo degradados por muitas imagens, cores, outdoors, placas, entre outros. E essa poluição visual não afeta somente o visual das cidades, mas também os seus habitantes.

A cidade de São Paulo criou, diante disso, a lei da cidade limpa nº 14.223/2006, a qual restringe os tamanhos da fachada de imóveis de acordo com o seu porte.

Dessa forma, além do fato de que promissores clientes poderão esquivar-se da sua loja caso ela apresente uma entrada muito poluída, cheia de cores, luzes e tamanhos grandes, você também estará infringindo a nova lei.

Procure, então, saber qual é o tamanho ideal para o seu estabelecimento segundo a nova lei, e se esforce por uma estética “limpa”, ainda assim bonita, e que esteja de acordo com o que você deseja transmitir.

Enfim, agora que entendeu o que a arquitetura corporativa propõe e conheceu algumas informações sobre como compor uma boa fachada, você poderá manter o seu estabelecimento com uma boa estética e ser uma opção boa entre os consumidores!

 

Fonte: SP Letras

(Visited 20 times, 1 visits today)